Consumo de carne bovina só deve voltar a crescer no ano que vem



A retomada da economia brasileira e, consequentemente, do consumo de carne bovina no mercado interno deve ocorrer somente em 2019, projetam analistas. Nesse cenário, o mercado externo tende a ganhar ainda mais importância para as indústrias.

“Vejo com ceticismo a melhora da economia ainda em 2018, o que ficou adiado, na melhor das hipóteses, para 2019”, afirma o diretor técnico da Informa Economics IEG | FNP, Vicente Ferraz. “Desta forma, o consumo fraco no mercado interno registrado no primeiro semestre do ano deve persistir e as exportações devem se manter em alta”, acrescenta Ferraz.

Ele destaca, no entanto, que essa expansão dos embarques tem limite e que não é capaz de compensar integralmente a redução da demanda doméstica, uma vez que o mercado interno, tradicionalmente, representa em torno de 70% das vendas do setor. “As empresas terão de rever o aumento da capacidade de abate e tentar ampliar as exportações”, avalia.

Mesmo diante de um cenário desafiador, o CEO da Marfrig, Martin Secco, se disse satisfeito com o desempenho das plantas que entraram em atividade recentemente e sinalizou que a estratégia de ampliar a oferta a partir destas unidades de abate deve continuar.

“Nós tomamos essa decisão conscientes de que tínhamos vários desafios pela frente e sentimos que tivemos uma performance boa”, avaliou. No primeiro trimestre deste ano os abates da divisão Beef da companhia aumentaram 50% no Brasil. A Marfrig registrou prejuízo líquido de R$ 206 milhões no período, leve redução ante a perda de R$ 233 milhões registrada no mesmo trimestre de 2017.

Secco destacou o aumento das exportações como “importante frente a um ambiente complexo no mercado interno brasileiro”. O volume foi 67% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Ele ainda afirmou que a venda da Keystone deve ser concluída no curto prazo.

JBS

Maior player do setor no mundo, a JBS registrou lucro de R$ 506,4, milhões no primeiro trimestre do ano. O incremento de 43,5% em relação ao mesmo período do ano passado foi puxado pelo desempenho da companhia no exterior, amparado pelo crescimento da economia norte-americana, no caso da JBS USA, e por um desempenho acima do esperado no México na Pilgrim´s Pride.

A receita líquida da JBS Brasil, porém, recuou 4,7%, para R$ 5,9 bilhões. Em conferência com analistas, o diretor global de operações da companhia, Gilberto Tomazoni destacou o aumento da competitividade na compra do gado e também o aumento da oferta de carnes no mercado doméstico, o que reduziu as margens da companhia. O negócio de bovinos representa 13% do faturamento da empresa. “Focamos no aumento nas exportações, em maior valor agregado e em mercados mais rentáveis”, destacou Tomazoni.

De acordo com a empresa, o número de animais processados cresceu 7% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. O valor médio de venda, porém, recuou 4,8% no período, na mesma base de comparação. Já no mercado externo, a companhia registrou aumento de preços, de 5,4%.

O presidente do conselho de administração e diretor de Relações com Investidores, Jeremiah O‘Callaghan comentou o acordo firmado com bancos relativo às dívidas da empresa. “O acordo com bancos foi feito para a preservação das linhas de crédito e manutenção das posições dos contratos”, esclareceu o executivo. O acordo prevê a manutenção de linhas de crédito de R$ 12,2 bilhões por 36 meses a partir de julho. A partir de janeiro de 2019, a JBS deve começar a amortizar cerca de 25% do principal da dívida até fim do período, em julho de 2021. A dívida líquida da companhia encerrou o primeiro trimestre em R$ 45,5 bilhões, 4,8% menor do que nos primeiros três meses de 2017.

 

 

Fonte: DCI

 




Mais Notícias
Crédito rural: necessário manter e inovar 14/08/2018

Crédito rural: necessário manter e inovar

Desde a década de 1960, o Crédito Rural tornou-se importante instrumento de apoio ao desenvolvimento do setor primário, assegurando recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização
Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha 14/08/2018

Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha

Audiência pública realizada na Assembleia Legislativa apresentou temas prioritários que serão encaminhados aos candidatos ao governo gaúcho
Projeto recupera pastagens em Minas Gerais 14/08/2018

Projeto recupera pastagens em Minas Gerais

As ações desenvolvidas pelo projeto ABC Cerrado têm contribuído para o avanço sustentável da pecuária de leite e de corte em Minas Gerais, incluindo a recuperação de cerca de 15 mil hectares de pastagens degradadas
Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior 14/08/2018

Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior

A oferta mundial de trigo da safra 2018/19 deve ser menor que a da anterior, enquanto o consumo pode crescer. Esse contexto pode pressionar a relação estoque/consumo e elevar os preços no médio prazo
Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018 14/08/2018

Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018

Entre os pontos altos do evento estão o Troféu Agroleite, a Trilha do Leite, o Torneio Leiteiro e os seminários e fóruns para troca de conhecimentos
Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG 14/08/2018

Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG

Com a comercialização de folhosas na região de Mário Campo (MG) ainda baixa, os preços registraram nova queda entre 6 e 10 de agosto.

Rua Pedro Celestino, 1802 - 2º Andar - Salas 23/26 - Telefone (67) 3022-4247 - CEP 79.002-371, Campo Grande/MS
Agrotvnews - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por