COCAMAR: Integração recupera pastos e faz pecuarista diversificar as fontes de renda



A degradação dos pastos em regiões de solo arenoso, que leva a pecuária tradicional a uma situação de baixo retorno econômico, está sendo enfrentada por pecuaristas paranaenses de uma maneira mais vantajosa do que simplesmente investir em adubação, como alguns ainda fazem. O Rally Cocamar Bayer e Spraytec de Produtividade foi ver isto de perto, na região norte do Estado.

Prática - Orientados pela Cocamar, eles estão descobrindo os benefícios de reformar as pastagens com agricultura, durante o verão. Mesmo os pecuaristas tradicionais, geralmente mais relutantes em aceitar mudanças, estão aderindo a projetos em que passam a trabalhar com lavoura como estratégia para fortalecer o seu principal negócio: a pecuária.

O Rally - O Rally é uma iniciativa da Cocamar com o patrocínio das empresas Bayer, Spraytec, Ford (concessionárias Maringá e Londrina), Sancor Seguros e Unicampo, com o apoio do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb).

QUEBRANDO A TRADIÇÃO - Em Guaraci, a 72km de Maringá, o produtor Antonio Albuquerque Garcia, o seu Toninho, é exemplo disso. Aos 77 anos, ele conta que nunca havia pensado em ver a fazenda de 370 hectares cultivada com soja, como vem acontecendo desde 2012. Seu Toninho diz que a propriedade adquirida pela família em 1952 sempre foi de pastos e, convencido pelo agrônomo André Bartchechen, da unidade da Cocamar em Jaguapitã, cidade vizinha, decidiu romper a longa tradição e experimentar a novidade. “Não tenho do que me arrepender”, afirma.

Vai aumentar - São 100 hectares de soja (41,3 alqueires), área que vai ser ampliada para 150 (62 alqueires) no ciclo 2018/19. Na temporada 2016/17, o produtor colheu a média de 55,7 sacas/hectare (135/alqueire) e o potencial para o atual período, segundo calcula o agrônomo, é de 60 sacas em média (145/alqueire). Nada mau para um solo com 18% de teor de argila e uma safra marcada por extremos climáticos que preocuparam, como estiagem e chuvas em excesso, frio e altas temperaturas.

Gostando - Recusando propostas para arrendar suas terras, seu Toninho decidiu ele próprio tocar a ILP e investiu ao longo dos anos na aquisição de maquinários (só não tem, ainda, a colheitadeira) e explica porque a integração está valendo a pena. A agricultura entrou na fazenda sem que ele precisasse reduzir o rebanho de aproximadamente mil cabeças e o solo vem sendo reestruturado com o plantio de braquiária logo após a colheita, formando forragem para alimentar o gado no inverno. O produtor, que segue à risca a orientação técnica, diz ter gostado do sistema em que o pasto é dessecado para dar lugar à lavoura, fazendo calagem, aplicando a adubação necessária e não fazendo nenhuma intervenção no solo, a não ser a correção dos “trilhos” deixados pela boiada nos pastos.

Expectativa de colher muita soja - Também em Guaraci, outro pecuarista. José Sérgio Garcia, de 51 anos, se rendeu à integração. Dos 255 hectares (105,4 alqueires) da propriedade, 104 (43 alqueires) estão sendo cultivados com soja nesta safra e a estimativa de produtividade do agrônomo da Cocamar em Jaguapitã, André Bartchechen, é de pelo menos 60 sacas por hectare (150/alqueire), mantendo a média obtida no ano passado, de 63 sacas/hectare (153/alqueire).

Já reformou tudo - Garcia faz a engorda de 480 cabeças e recorda ter-se interessado pela integração, há alguns anos, após participar de uma viagem, a convite da Cocamar, para a Agrishow, em Ribeirão Preto (SP). Na volta, tratou logo com o agrônomo da cooperativa de planejar a integração em sua fazenda, introduzindo-a por etapas, comprando as máquinas e só contratando a colheita. “O declínio natural da pastagem fica muito caro recuperar com adubo”, comenta. Fazendo integração, ele já reformou 100% dos pastos e vê a soja, protegida pela palha de braquiária, suportar melhor as adversidades climáticas.

Tudo melhorou - Dono de granjas para 50 mil aves, Garcia destina o resíduo orgânico dos barracões para fortalecer a adubação da lavoura e ressalta a importância da diversificação que foi trazida pela integração. “Melhorei meus pastos e, sem reduzir o rebanho, passei a ter uma fonte de renda a mais, com a soja”, sorri. Em resumo: mais fluxo de caixa e equilíbrio financeiro para a fazenda, que ficou ainda mais produtiva, bonita e valorizada.

A integração é o caminho - A integração lavoura-pecuária também é praticada na propriedade de 133 hectares (55 alqueires) da família Gomes, em Jaguapitã. O proprietário, seu Agostinho, e o filho dele, Carlos Augusto, começaram a plantar soja em 2000 e atualmente a oleaginosa ocupa 63 hectares (26 alqueires), área essa que, no inverno, é destinada para o cultivo de aveia e milheto para produção de silagem que alimenta o gado de leite. São 60 hectares (25 alqueires) de pastos formados, em grande parte, com capim braquiária, onde estão alojadas 220 cabeças, média de 3,6 por hectare (8,8/alqueire), considerada alta para uma região onde os pastos, normalmente, suportam menos da metade desse número de animais.

Atenção ao solo - Formado em administração de empresas e com pós-graduação em manejo de fertilidade do solo e manejo de plantas, Carlos Augusto, de 36 anos, conta que a família dedica especial atenção ao solo, fazendo calagem e adubação conforme análise, reforçada de cálcio e enxofre.

Safra cheia - Ele conta que quando a família passou a produzir soja, o primeiro ano surpreendeu, com média de 64 sacas/hectare (156/alqueire). Mas nos anos seguintes a lavoura foi castigada por estiagens e, para complicar, a cotação da oleaginosa passou por um período de baixa. “Só com a integração é que vimos a possibilidade de continuar”, comenta o produtor. Orientado pela Cocamar, se diz animado quanto às expectativas de produtividade, respaldadas pelo agrônomo André Bartchechen, da cooperativa. “Acho que vamos manter ou superar a média do ano passado”, afirma Carlos Augusto, informando que foram 60 sacas por hectare (145/alqueire). E conclui: “em alguns talhões, tivemos pico de 175 sacas por alqueire (72,3/hectare)”.

 

 

Fonte: Assessoria Cocamar

 




Mais Notícias
Crédito rural: necessário manter e inovar 14/08/2018

Crédito rural: necessário manter e inovar

Desde a década de 1960, o Crédito Rural tornou-se importante instrumento de apoio ao desenvolvimento do setor primário, assegurando recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização
Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha 14/08/2018

Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha

Audiência pública realizada na Assembleia Legislativa apresentou temas prioritários que serão encaminhados aos candidatos ao governo gaúcho
Projeto recupera pastagens em Minas Gerais 14/08/2018

Projeto recupera pastagens em Minas Gerais

As ações desenvolvidas pelo projeto ABC Cerrado têm contribuído para o avanço sustentável da pecuária de leite e de corte em Minas Gerais, incluindo a recuperação de cerca de 15 mil hectares de pastagens degradadas
Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior 14/08/2018

Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior

A oferta mundial de trigo da safra 2018/19 deve ser menor que a da anterior, enquanto o consumo pode crescer. Esse contexto pode pressionar a relação estoque/consumo e elevar os preços no médio prazo
Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018 14/08/2018

Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018

Entre os pontos altos do evento estão o Troféu Agroleite, a Trilha do Leite, o Torneio Leiteiro e os seminários e fóruns para troca de conhecimentos
Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG 14/08/2018

Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG

Com a comercialização de folhosas na região de Mário Campo (MG) ainda baixa, os preços registraram nova queda entre 6 e 10 de agosto.

Rua Pedro Celestino, 1802 - 2º Andar - Salas 23/26 - Telefone (67) 3022-4247 - CEP 79.002-371, Campo Grande/MS
Agrotvnews - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por