Brasil se tornará a capital mundial da mandioca



Polo da maior região produtora de mandioca para fins industriais do Brasil, a cidade de Paranavaí, no Noroeste do Paraná, sediará de 20 a 22 de novembro a Feira Internacional da Mandioca (FIMAN 2018), no Parque Internacional de Exposições Costa e Silva. Em sua segunda edição, o evento reunirá representantes de toda a cadeia produtiva e de consumo, em um ambiente propício para a promoção de negócios entre as empresas do setor, especialmente as indústrias de transformação, seus fornecedores e clientes.

Mais de 100 expositores do Brasil e do exterior participarão da Feira, em um espaço de 4 mil m² especialmente construído para abrigar o evento. A expectativa da organização é que mais de 5 mil pessoas de 30 países visitem a FIMAN 2018, entre industriais, produtores, fornecedores, consumidores e varejistas, com a geração de aproximadamente R$ 100 milhões em negócios. O evento, idealizado em 2016 em meio a uma das mais graves crises econômicas do país, tornou-se um importante cenário para a troca de experiências, tecnologia e conhecimento com relação ao mercado da mandioca. “Naquele momento, conseguimos gerar mais de R$ 50 milhões em negócios durante a Feira, impactando positivamente um universo de mais de 4 mil pessoas, entre visitantes e empresários”, explica Maurício Gehlen, presidente da Comissão Organizadora da FIMAN 2018. “Tivemos como destaque a África, continente com o maior número de representantes. Graças a sua alta produção da raiz, vieram atrás de conhecimento a respeito da produção em escala comercial”, acrescenta. Para esta edição, já estão confirmadas empresas da China e Inglaterra, e em negociação com outros países, como Japão, Tailândia, Indonésia e Singapura.

A FIMAN 2018 é uma parceria da Associação Comercial e Empresarial de Paranavaí (ACIAP), Sindicato Rural de Paranavaí, do Sindicato Rural do Noroeste do Paraná, Prefeitura Municipal de Paranavaí e Centro Tecnológico da Mandioca (CETEM), com organização da Combo Action

Mandioca: o alimento do século XXI

Eleita pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o alimento mais importante do século, a mandioca é utilizada para consumo humano, animal e industrial. Neste último caso, é fundamental para diferentes segmentos. “É o caso dos setores de papel e celulose, panificação, têxtil, indústria farmacêutica e de cosméticos, fertilizantes, aplicação em campos de petróleo e siderurgia e na alimentação, servindo como base para a produção de alimentos sem glúten, lactose e funcionais”, complementa Gehlen.

Em paralelo à Feira, a organização do evento promoverá uma agenda de atrações focadas na capacitação profissional e na geração de conhecimento, entre oficinas, visitas técnicas, rodadas de negócios e palestras sobre novas tecnologias, otimização de materiais, trabalho em rede, logística reversa e a apresentação de cases de sucesso.

O mundo se encontra em Paranavaí

Atualmente, a produção da mandioca está concentrada em alguns países, como a Nigéria, Tailândia, Indonésia, Brasil, República Democrática do Congo e Gana. Segundo o último levantamento divulgado pela ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a produção mundial de raiz de mandioca correspondeu a 270,28 milhões de toneladas em 2014, estando o Brasil na quarta posição com uma produção de 23,24 milhões de toneladas.

O país concentra três grandes centros produtivos: o Pará (alimentício), a região Sul (industrial) e o Mato Grosso. Dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) mostram que o Paraná foi responsável por 70% do total de fécula de mandioca produzida no país em 2015 - número que é mantido a cada safra, sendo a região de Paranavaí (PR) uma referência mundial em produtividade e qualidade.

“Temos como metas promover negócios e intercâmbio entre as empresas produtoras, agregar valor à produção, ampliar a geração de empregos, fomentar o nosso mercado, implantar uma cultura de inovação tecnológica e construir uma rede de informações. Serão três dias de troca de experiências, parcerias e novos caminhos”, finaliza Gehlen. O pavilhão da FIMAN 2018 terá funcionamento das 13h às 20h, com entrada gratuita para visitantes mediante credenciamento no site www.fiman.com.br ou no local do evento no credenciamento.

Informações: +55 41-3095.1776 | e-mail: contato@fiman.com.br | www.fiman.com.br

 

 

Fonte: Básica Comunicações

 




Mais Notícias
Crédito rural: necessário manter e inovar 14/08/2018

Crédito rural: necessário manter e inovar

Desde a década de 1960, o Crédito Rural tornou-se importante instrumento de apoio ao desenvolvimento do setor primário, assegurando recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização
Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha 14/08/2018

Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha

Audiência pública realizada na Assembleia Legislativa apresentou temas prioritários que serão encaminhados aos candidatos ao governo gaúcho
Projeto recupera pastagens em Minas Gerais 14/08/2018

Projeto recupera pastagens em Minas Gerais

As ações desenvolvidas pelo projeto ABC Cerrado têm contribuído para o avanço sustentável da pecuária de leite e de corte em Minas Gerais, incluindo a recuperação de cerca de 15 mil hectares de pastagens degradadas
Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior 14/08/2018

Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior

A oferta mundial de trigo da safra 2018/19 deve ser menor que a da anterior, enquanto o consumo pode crescer. Esse contexto pode pressionar a relação estoque/consumo e elevar os preços no médio prazo
Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018 14/08/2018

Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018

Entre os pontos altos do evento estão o Troféu Agroleite, a Trilha do Leite, o Torneio Leiteiro e os seminários e fóruns para troca de conhecimentos
Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG 14/08/2018

Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG

Com a comercialização de folhosas na região de Mário Campo (MG) ainda baixa, os preços registraram nova queda entre 6 e 10 de agosto.

Rua Pedro Celestino, 1802 - 2º Andar - Salas 23/26 - Telefone (67) 3022-4247 - CEP 79.002-371, Campo Grande/MS
Agrotvnews - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por