Após encerrar com alta, café arábica volta a registrar quedas em NY nesta 5ª



Após encerrar com a segunda alta seguida na sessão de quarta-feira, o café arábica abre a quinta-feira com novas quedas, todas de 80 pontos nos principais vencimentos.

Por volta das 09h14 (horário de Brasília), o contrato março/18 era negociado a 122,50 cents/lb. Para maio/2018, 124,65 cents/lb. Julho/18 trabalhava a 126,90 cents/lb, enquanto setembro/18 trabalhava a 129,25 cents/lb.

Ontem (7), a Organização Internacional do Café elevou sua previsão para a safra global de café em 2017/18 para 158,93 milhões de sacas de 60kg, contra uma previsão anterior de 158,78 milhões de sacas.

A Reuters informa que um número crescente de agricultores na América Latina está renovando suas áreas e deixando de plantar o café arábica para passar para a produção de café robusta, mais barata.

Mercado interno

Por volta das 9h14 (horário de Brasília), o tipo 6 duro anotava maior valor de negociação em Araguari (MG) com saca a R$ 455,00 e queda de 1,09%. A maior oscilação era registrada no Oeste da Bahia, com avanço de 2,31% e saca a R$ 442,50.

Na quarta-feira (7), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 442,33, com queda de -0,08%.

Confira como fechou o mercado nesta quarta-feira:

Café: Cotações do arábica seguem movimento de ajuste e fecham sessões desta 4ª feira com leve alta em NY

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (7) com leve alta e estenderam os ganhos registrados na véspera. O mercado do grão reage tecnicamente após ficar em baixa por várias sessões seguidas e ficar abaixo do patamar de US$ 1,20 por libra-peso. Informações de agências internacionais também apontam a maior atuação de investidores no mercado.

Os lotes com vencimento para março/18 fecharam a sessão de hoje cotados a 123,30 cents/lb com alta de 45 pontos, o maio/18 registrou 125,45 cents/lb com avanço de 40 pontos. Já o contrato julho/18 encerrou o dia com 127,70 cents/lb e valorização de 30 pontos, enquanto que o setembro/18, mais distante, fechou a sessão cotado a 130,05 cents/lb com avanço de 30 pontos. Essa é a segunda alta seguida.

Depois de dias de queda, com cotações chegando a ficar abaixo de US$ 1,20/lb, o arábica testou reação na véspera e chegou ao maior rally em cinco semanas. Além disso, investidores também atuam no mercado, segundo informações da Reuters internacional. Participantes desde ontem cobrem posições vendidas após a queda dos índices de ações dos Estados Unidos.

Do lado fundamental, negativamente, seguem repercutindo entre os operadores as informações de melhores condições de produção no Brasil na safra 2018/19, assim como, positivamente, dá suporte ao mercado a divulgação de queda nos últimos doze meses na colheita colombiana, segundo maior produtor da variedade, de acordo com dados reportados pela Federação Nacional de Cafeicultores (Fedecafe).

A queda na produção da Colômbia, segundo informativa da Fedecafe, foi motivada pelas condições climáticas adversas para a produção no país. Segundo a trader I&M Smith, essa baixa na produção colombiana, assim como os menores volumes exportados, normalmente, seriam favoráveis às cotações se não fossem ofuscadas pelas melhores perspectivas de produção do Brasil.

Mercado interno

Os negócios com café nas praças de comercialização do Brasil seguem lentos e a previsão, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP), é de que maiores volumes do grão sejam negociados apenas nos próximos meses com a necessidade de "fazer caixa" para a colheita da nova safra, que começa nos meses finais do primeiro semestre.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em

Guaxupé (MG) com saca a R$ 483,00 e alta de 0,63%. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Lajinha (MG) com alta de 2,17% e saca a R$ 470,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Poços de Caldas (MG) com saca a R$ 472,00 e alta de 0,85%. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Franca (SP) com recuo de 3,16% e saca a R$ 460,00.

O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação em Araguari (MG) com saca a R$ 455,00 e queda de 1,09%. A maior oscilação no dia foi registrada no Oeste da Bahia com avanço de 2,31% e saca a R$ 442,50.

Na quarta-feira (6), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 442,67 e alta de 0,54%.

 

 

Fonte: Notícias Agrícolas

 




Mais Notícias
Crédito rural: necessário manter e inovar 14/08/2018

Crédito rural: necessário manter e inovar

Desde a década de 1960, o Crédito Rural tornou-se importante instrumento de apoio ao desenvolvimento do setor primário, assegurando recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização
Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha 14/08/2018

Arrozeiros cobram soluções para problemas históricos da lavoura gaúcha

Audiência pública realizada na Assembleia Legislativa apresentou temas prioritários que serão encaminhados aos candidatos ao governo gaúcho
Projeto recupera pastagens em Minas Gerais 14/08/2018

Projeto recupera pastagens em Minas Gerais

As ações desenvolvidas pelo projeto ABC Cerrado têm contribuído para o avanço sustentável da pecuária de leite e de corte em Minas Gerais, incluindo a recuperação de cerca de 15 mil hectares de pastagens degradadas
Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior 14/08/2018

Trigo: Oferta mundial da 2018/19 deve cair frente à temporada anterior

A oferta mundial de trigo da safra 2018/19 deve ser menor que a da anterior, enquanto o consumo pode crescer. Esse contexto pode pressionar a relação estoque/consumo e elevar os preços no médio prazo
Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018 14/08/2018

Capital Nacional do Leite reúne o que há de melhor no setor durante o Agroleite 2018

Entre os pontos altos do evento estão o Troféu Agroleite, a Trilha do Leite, o Torneio Leiteiro e os seminários e fóruns para troca de conhecimentos
Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG 14/08/2018

Alface: Vendas enfraquecidas pressionam cotações em MG

Com a comercialização de folhosas na região de Mário Campo (MG) ainda baixa, os preços registraram nova queda entre 6 e 10 de agosto.

Rua Pedro Celestino, 1802 - 2º Andar - Salas 23/26 - Telefone (67) 3022-4247 - CEP 79.002-371, Campo Grande/MS
Agrotvnews - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por